15:00 Depois de 16 horas cortando a Península Ibérica, chegamos em Bordeaux. Uma viagem noturna onde a “irreclinável” poltrona virou cama. Mal sabia que tal descanso sagrado, seria de grande importância para os próximos dias insanos-francês. (Motivo do atraso desse delicioso diário de bordo).

Na minha primeira vez na França, teria uma grande amiga e a melhor anfitriã que poderia imaginar, Monica Pessoa.
“No café debaixo do hotel em frente à estação.” “Te pego lá”
“ok.”
Lógico que acabei indo parar em outro café, outro hotel…
Mas uma viagem sem aventura, não tem graça… All right.

Monica é uma carioca que foi morar na França e através de excelentes cursos em Paris se especializou em queijos e vinhos, e vem fazendo um belíssimo trabalho em Bordeaux. Sim estava em ótimas mãos.

Da estação de trem para um giro por lindas e premiadas vinícolas de Bordeaux desculpe não descrevê-las agora, pois sou cervejeiro e mesmo apreciando muitíssimo todo o tour não sei descrevê-las. Isso me faz lembrar que no final de toda estadia (3 dias) em Bordeaux, comentei: “Se fosse sommelier de vinho e não de cerveja, estaria em estase por tudo que vi aqui.”

A região de Bordeuax é a 2ª maior área de cultivo de vinhos em todo o mundo, com treze mil viticultores.
Com uma produção anual de mais de 700 milhões de garrafas, Bordeaux produz vinhos de mesa para o dia-a-dia, bem como, os mais caros e prestigiados vinhos do mundo. Os vinhos tintos e Doce branco (Sauternes) fundamentam a reputação dos vinhos bordaleses, ainda assim, Bordeaux produz vinhos brancos, vinhos rosés e vinhos espumantes, estes últimos denominados ‘Crémant de Bordeaux’. (Wikipédia)

Depois do passeio pelas belíssimas paisagens vinícolas, uma parada na Fnac em busca de bons livros e outra parada para facas e utensílios.

Chegando “em casa pelos próximos 3 dias” uma extraordinária seleção de queijos me esperava. Resultado espanta o sono, pois temos excelentes queijos na tábua e boa prosa para trocar.